Ir para o conteúdo
Logotipo do FFHC Menu mobile

O Acervo Leonidas Cardoso, pai de Fernando Henrique Cardoso, contém documentos acumulados por ele desde os tempos de ginasiano, no início do século XX, até sua morte, em 1965. São cerca de 800 itens que refletem os aspectos relevantes de sua trajetória como militar e político, os relacionamentos sociais e familiares que cultivou e os eventos históricos de que participou, como o Tenentismo, a Campanha do Petróleo e o Movimento da Panela Vazia. A documentação permite conhecer também as instituições a que pertenceu, como o Clube Militar, o Centro de Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Nacional (CEDPEN), a Liga de Emancipação Nacional (LEN) e o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

  • Formação e relações familiares e sociais

    A correspondência mantida com amigos e parentes, cujo tom coloquial permite identificar os apelidos pelos quais eram conhecidos, oferece, juntamente com cadernos de poemas, retratos e outros documentos marcados pela espontaneidade, aspectos interessantes e curiosos de sua personalidade.

    Diplomas e certificados de cursos, de nível médio e superior, compõem a parcela do arquivo de Leonidas Cardoso relacionada com sua formação, em Curitiba e no Rio de Janeiro.

     

    1/3
  • Carreira militar e política

    Desde seu ingresso na Escola de Guerra de Porto Alegre, em 1905, até o fim da vida, na condição de general-de-divisão reformado, a carreira militar de Leonidas Cardoso vem registrada em inúmeros documentos, a exemplo dos que evocam o apoio que deu à Revolta dos 18 do Forte de Copacabana, em 1922, que lhe custou a prisão na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) e, posteriormente, a transferência para Óbidos e Belém, no Pará, e Manaus, no Amazonas; à Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas à presidência da República; e à Revolução Constitucionalista de 1932. A documentação dá conta, também, do período em que, tendo sido promovido a major, atuou como oficial de gabinete do ministro da Guerra, Pedro Aurélio de Góis Monteiro.

    Transferido em 1940 para São Paulo passou a servir no quartel general da 2ª Região Militar e a dedicar-se à defesa do petróleo nacional, havendo inúmeros documentos que referenciam a carreira política de Leonidas Cardoso como deputado federal por São Paulo, na legenda do PTB (1955-1959), e as causas que apoiou, marcadas todas pela defesa das liberdades democráticas e por exacerbado nacionalismo.

     

     

    1/3