Ir para o conteúdo
Logotipo do FFHC Menu mobile

/imagens/23/89/pdt_bnn_12389.jpg

Iniciativas » Diálogo na Web

O Jornalismo e seu papel central na Democracia


O jornalismo independente sempre será uma pedra no sapato de qualquer governo, mesmo os que respeitam o Estado de Direito. A diferença em relação aos regimes populistas, de direita ou esquerda, é que estes expressam hostilidade ao jornalismo. Buscam intimidar repórteres, dificultar seu trabalho e instigam seus seguidores a fazer o mesmo. Em alguns casos, tentam mudar a lei para sufocar a liberdade de imprensa, perseguem e prendem profissionais. Ao mesmo tempo, a revolução digital coloca em xeque o modelo de negócio do jornalismo, e as redes sociais aprofundam a crise ao possibilitar que as pessoas troquem informações, notícias (verdadeiras ou falsas) e opiniões entre elas, sem intermediários. Quais os caminhos para o jornalismo superar esses desafios e reforçar seu papel de fiscalizador do poder? Como resistir ao populismo autoritário sem se render ao ativismo e à ideologia, estranhos à profissão? Como recuperar a confiança e o vínculo com os cidadãos?

Para discutir este assunto fundamental à democracia, a Fundação FHC, em parceria com o Quebrando Tabu, realizou um Diálogo na Web, transmitido ao vivo pelo Facebook com Carlos Eduardo Lins da Silva (professor do programa avançado em Comunicação e Jornalismo do Insper), Sergio Fausto (cientista político e superintendente executivo da Fundação FHC) e Natalia Viana (diretora e co-fundadora da Agência Pública de Jornalismo Investigativo).

Convidados:


Natalia Viana
Diretora e co-fundadora da Agência Pública de Jornalismo Investigativo. Como repórter e editora, venceu diversos prêmios de jornalismo, entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005/2016), o Comunique-se (2016/2017), o Troféu Mulher Imprensa (2011/2013) e o prêmio Gabriel García Márquez (2016).


Carlos Eduardo Lins da Silva
Professor do programa avançado em comunicação e jornalismo do Insper eglobal fellow do Woodrow Wilson Center. Na Folha de S. Paulo, foi diretor-adjunto de Redação, correspondente em Washington e ombudsman. No Valor Econômico, foi diretor-adjunto de Redação. É livre-docente e doutor em comunicação pela USP e mestre pela Michigan State University.

Debate na íntegra:

Mais sobre Diálogo na Web